Contador de visitas

contador grátis

segunda-feira, setembro 30, 2013

OYÁ MENSÁ ORÚM




“Yansãn, comanda os ventos, com a força dos elementos”. Assim começa a música, uma linda canção que Maria Bethânia gravou em homenagem a sua Mãe Oyá. Realmente, Oyá comanda os ventos, mas também os raios, o fogo em sua forma benéfica, comanda as tempestades, e ainda é a grandiosa Senhora dos mortos.

Em sua terra natal, África, ela é responsável por tudo isso. Segundo as crendices africanas, as tempestades são a fúria dela e de Xangô seu esposo. Dentro de uma casa de Santo, nada se faz durante uma tempestade, porque Oyá está despejando sobre o Planeta, sua fúria com aqueles que são injustos, que mentem, caluniam, enfim: sobre todos que agem de forma errada com seus semelhantes.

Seu culto é antigo, e grande seu poder e força. Também é associada a Justiça, sendo juntamente com Xangô, a justiça de Olorúm sobre nossas cabeças. Governa ainda o bambuzal, onde se recolhe em seus momentos mais íntimos, aqueles em que, está pronta para nos conceder o bem, como ainda, pronta para nos fazer calar a língua que fere a moral dos outros. De dentro do bambuzal, ela governa egum, e determina que este vá onde mandar para cumprir a missão que a ele determinou.

Mas, de onde vem seu culto afinal?

O culto a Oyá, tem seu inicio, no Rio Níger, o mais antigo da África. Torna-se o principal Rio pois que, através de seus afluentes, ele se espalha pelas principais cidades. Ali, naquele Rio, reside a mulher com maior poder de toda a África: Oyá. Por ser a moradora do rio de 09 braços como é chamado o Níger, além de ser a mãe desse rio, passou a ser também a mãe dos nove céus. Isso porque os africanos antigos, acreditavam que o céu se divide em nove e no nono céu é que se encontra a morada de Olorúm. Olô = Senhor, Dono, Orúm = Céu. Olorúm: senhor, dono do céu, ou seja: Deus.

Sua maior vocação é ser guerreira, combater incansavelmente os inimigos de seu povo, e como Orixá, dar combate também aos que tentam prejudicar seus filhos. Também tem gosto pela luta do dia a dia. Tais quesitos fizeram com que ela, não aceite a forma feminina de viver, ou seja: prefere ir à luta em prol do que deseja, a ter que ficar em casa, cuidando do lar, dos filhos e do marido. Oyá é representada pela mulher que de manhã após sua higiene e seu desjejum, sai de casa em busca do sustento para seus filhos e para si mesma. Não aceitando em hipótese alguma que seu homem a provenha de nada.

Mas, isso não a afasta de forma alguma dos encantos, e dos prazeres que somente uma mulher possui e sabe proporcionar ao homem amado. É sensual, possui uma feminilidade à toda prova e é muito fogosa também. Contam as lendas que Yansã, teve muitos homens e amou a todos de forma verdadeira e pura. E isso a fez transformar-se em um Orixá. Mas, o fato de ter tido vários parceiros, não significa em hipótese alguma que ela fosse traidora. Ao contrário, quando ama um homem, se dedica e vive somente para ele, ela é ainda possessiva e ciumenta aos extemos e ai do homem que a trair, pois ela o punirá severamente.

Os chifres de búfalo, quando postos em seu assentamento, significam a virilidade da mulher e sua fertilidade, isso porque, na África esse animal sempre foi visto como símbolo da fertilidade e da virilidade. Somente a Yansã, pertencem os chifres de búfalo, afinal foi ela quem conseguiu segurar esse animal e assim transformar-se em um, sendo à partir de então, conhecida como a mulher tanto da caça como da guerra.

Nada impede Oyá de conseguir o que quer. Lutará de todas as formas para ter aquilo que deseja. Heroína de Xangô, pelo fato de ter sido ela a defender seu reino, quando atacado por egum. Também, segundo algumas lendas, foi Oyá que conquistou sete reinos e deu de presente para seu amado, Xangô, fazendo dele Rei absoluto por onde passava.

Essa ação de deu por amar muito a Xangô e também pelo fato de preferir a vida livre, as andanças pelo mundo, pois que, como guerreira, sempre se sentiu atraída pelas batalhas e pelo desbravamento. Caráter forte, temperamental, Oyá nunca se curvou nem se curvará para ninguém, além de Olorúm. Busca sempre a vida em sua totalidade e não perde tempo com questionamentos que não a levarão mais alto e mais longe em sua imensa ânsia do saber. Tem sede pelo conhecimento e sempre que pode, se dedica a obtê-lo.

Apesar de guerreira, possui seus dotes femininos, e o maior deles é o encanto, devido a sua beleza que seduziu a todos que a conheceram. Como Senhora da tempestade, demonstra seu poder e sua fúria. Nada se compara ao poder destruidor de uma tempestade e aí está a demonstração de Oyá. Como dona do fogo, nos favorece no cozimento dos alimentos, pois guarda para si o segredo do fogo, mas em sua forma domesticada, ou seja: o fogo que cozinha os alimentos, que prepara nossa mesa e aquece nossa casa no inverno.

Oyá deseja um homem, mas para amá-la e respeitá-la e não para a sustentar como as outras mulheres. Afinal a sua busca constante por tudo, faz dela uma mulher independente e totalmente capaz de se sustentar e ainda mais: de sustentar seu amado. Não foge nunca de uma batalha, porém, a vende sempre utilizando a justiça como meta principal em sua vida.

Como Senhora dos mortos, é ela a principal guardiã de seus segredos, pois segundo as lendas, quando morremos, Oxóssi pega nosso egum e o entrega a Obaluayê e este por sua vez o entrega aos cuidados de Oyá para que ela o mantenha em uma cela à espera do momento de serem julgados seus atos aqui na Terra. Ainda dentro do preceito de egum, é Yansã quem determina quando e como ele pode atuar em nossa vida.

Sabemos que egum é alma de morto e como tal, nem sempre tem o discernimento do mal e do bem, compete a Oyá segurar seu poder, sua força e assim o manter sob seu domínio para que ele não saia a prejudicar os seres vivos.

Determinadas qualidades de Oyá, sequer são suspensas dentro de casa, isso porque, trazem consigo toda vez que vêm à Terra 21 eguns e esses não podem de forma alguma ficarem dentro de casa. E essas Oyás são feitas também de forma diferente em seus filhos, devido a seus fundamentos serem mais complexos que os de outros Santos.

Porém, independentemente de sua qualidade, Oyá é e sempre será a preferida de Xangô e de Ogum, dado que sua vocação a guerra, seduziu os dois. Mãe soberana, comanda as coisas com seu jeito ímpar de ver e de agir. Nunca se dá ao prazer do descanso, pois acredita que somente através da batalha podemos conquistar o que almejamos.

Essa grande Senhora, reina absoluta em muitas casas a ela dedicadas, mas, mesmo em outras casas onde o Santo padroeiro é outro, ela ali está presente, pronta para trazer para aqueles que nela buscam, o amparo o conforto e a vitória perante seus inimigos. Quando ama, ama profundamente e este amor é expresso de várias formas, porém, nunca com muito carinho porque como guerreira, não sente-se muito à vontade para acariciar e ser acariciada.

Não se engane no entanto, com ela. É mãe protetora e valente. Conta uma lenda que foi capturada por Odé quando este encontrou o par de chifres de búfalo que ela usava e com isso, foi obrigada a morar com ele e Oxum, sendo que esta dava para Oyá seus afazeres domésticos.

Mas, Oxum vendo a predileção de Odé por Oyá, orientou a mesma que engravidasse porque seu esposo 
tinha muita vontade de ter filhos, mas ela Oxum, não conseguia engravidar, e que com certeza ao dar à luz um filho seu, Odé a deixaria ir embora.

Então Oyá engravidou de Odé e como consequência dessa gravidez nasceram gêmeos, que aqui no Brasil são sincretizados com São e Cosme e São Damião. Ao nascer seus filhos ela, esperou em vão que Odé a libertasse, porque para isso tinha que lhe devolver seus chifres de búfalo. Passaram-se os anos, e quando seus filhos completaram sete anos de nascidos, foram brincar e encontraram dois objetos muito estranhos.

Pegaram-no e foram correndo mostrar para a mãe, pois nunca tinham visto aquilo. Então para sua surpresa, Oyá viu que eram os chifres que ela utilizava para se transformar em búfalo e disse aos filhos: “meus filhos amados, anos e anos esperei em vão que seu pai me devolvesse essas peças e agora vocês os encontraram. 

Preciso partir imediatamente mas vou deixar outros iguais a estes com vocês e quando precisarem de mim, por estarem em perigo ou qualquer outro motivo, basta que esfreguem os mesmos um no outro e virei 
imediatamente para seu socorro.

E feito isso, Oyá partiu e deixou seus filhos aos cuidados de Oxum e Odé. Como podemos ver, grandes foram as dores que suportou. Ocorre que quando foi capturada, ela estava no reino de Odé caçando sem que esse soubesse, porque o reino de Xangô esta pobre e as pessoas passavam fome. Ao ver que em um reino vizinho a caça era farta, ela prontamente se disfarçou em búfalo e foi caçar para alimentar seu esposo e seus súditos. Sendo assim, precisava de todas as formas voltar para seu amado, afinal tinham já, mais de sete anos que era escrava de Odé.  

Até hoje quando seus filhos estão em perigo grande e iminente, existem certos fundamentos que se faz para que ela venha imediatamente prestar socorro àqueles que a cultuam e amam. Mas somente quem realmente sabe o que está fazendo pode usar desses recursos, pois que, se Oyá chegar e não encontrar motivo verdadeiro para ter sido chamada se volta contra quem a chamou sem precisão.

Assim é Oyá: grandiosa, guerreira, temperamental, batalhadora e justa. Aquela que não se nega a socorrer quem dela precise, mas que, esteja com a razão acima de tudo.

EPARREI OYÁ!

sábado, setembro 28, 2013

A NUVEM NEGRA DA MALDADE



Somos do Santo, da Umbanda ou de outra religião que seja. Temos sim, que ter uma religião, porque somente esta pode nos conduzir ao caminho do bem, e fazer com que vejamos a Obra de Deus em tudo que conhecemos nesse mundo. Aprendemos com a religião que, somente através da bondade e da vontade Divina, conseguimos alcançar tudo o que pedimos. Temos, pois, que nos ater, que, para termos nossos pedidos aceitos e atendidos, precisamos ter o merecimento para tal.

Outra coisa de muito importante, e que não podemos negligenciar, é nosso coração e nossa alma, porque deles saem todos os desejos de nosso corpo material. Desejamos uma boa casa, uma, vida financeira tranquila, mas, esses desejos se dão somente através de nosso coração e nossa alma. E para isso, precisamos estar com ambos, livres da corrupção.

Algumas pessoas reclamam que sentem como se Deus não existisse, que vêm pessoas do mal, terem tudo o que pedem, e que por mais que pratiquem o bem, não alcançam nem parte do que querem. Bem, ocorre que uma nuvem negra paira sobre a Terra e esta impede que as forças do bem vejam o que se passa realmente nesse mundo.

Deus, em sua sabedoria e onipotência, está atento a tudo o que ocorre no mundo, mas, as trevas possuem uma força muito maior do que imaginamos, e esta força está presente em várias religiões, se manifesta como algo do bem, mas, seu único intuito é destruir tudo e todos que encontrar pela frente. Podemos ver isso, na ganância de muitos líderes religiosos e até mesmo em nosso seio. Prova de que o mal está enraizado muito mais do que pensamos.

Não podemos no enganar achando que nada pode essa força. Não podemos criar ilusões pensando que o mal não tem alcance dentro das religiões. Oras, todas as religiões mais antigas, pregam um ser muito ruim que tenta de todas as formas destruir os laços que unem o homem a seu Criador. Não sabemos realmente seu nome, mas, sabemos que existe algo maléfico e que esse ser não descansa nem descansará enquanto não obtiver a parcela que deseja.

E este ser se alimenta de nosso ódio, de nosso rancor e de todos os desejos mais imundos que saem de nosso coração. Isto bloqueia sim, as forças do bem. Impedem que seres iluminados possam agir em nosso meio, trazendo paz e tranquilidade para todos nós. Quando uma pessoa tira a vida de outra, quando mente, quando calunia, rouba, pratica enfim, qualquer ato que desabone sua conduta nos planos de Deus, a força inferior, da escuridão é que está se prevalecendo disso.

Quando alguém se acha no direito de tomar a justiça em suas mãos, nesta hora é o mal falando mais alto em seu coração, deturpando os benefícios que temos ao andar ao lado da luz. E isso queridos, fere nosso Pai profundamente e nossos Orixás e Guias sentem-se envergonhados de nós.

Nesse momento, eles se afastam de nós e nos deixam à mercê desta força, pois que, demos a ela a preferencia que deveria ser de Deus. Quando um marido trai sua esposa, ou vice versa, oferece um banquete para as trevas e esta se congratula com o traidor.

Mas, seu preço é demasiadamente alto, pois que, nada possui essa força que possa nos oferecer. Ao contrario, quando as trevas dão algo a alguém é porque tiraram de outro. Somente Olorúm em sua supremacia tem a capacidade de nos oferecer a fartura de vida, de pão e de tudo o mais que precisamos. Afinal é nosso Pai, e como tal é provedor, não permitindo que venhamos a sucumbir nas mãos de quem nos quer mal.

Porém, quando agimos dentro dos ditames das Leis Divinas, destruímos o mal, e fazemos prevalecer o bem, e este é Olorúm, Deus. Quando amamos, quando nos calamos diante das infâmias que somos vítimas, quando deixamos de fazer o mal para fazer o bem, quando confiamos na justiça Divina, quando não traímos, nisso tudo damos forças a Deus para que seus mensageiros possam interagir em nosso favor.

Estudamos, praticamos nossa doutrina, mas na verdade, não sabemos como realmente é o outro lado. Não vivenciamos a passagem e nem mesmo participamos da ceia oferecida às almas daqueles que se foram desse mundo. Então, não temos a capacidade de garantir o que é a vida do outro lado, nem mesmo como se passam por lá as coisas.

Por mais que nossos Guias e demais espíritos falem da vida pós túmulo; não podemos garantir como realmente é, porque isso faz parte dos mistérios de Deus. Não podemos como seres falhos  que somos, termos acesso ao mistérios Divinos, pois se assim o fosse não seriamos mortais. Não temos como nos comparar com a Supremacia Divina que tudo criou e de tudo sabe.

Precisamos dissipar essa nuvem negra da maldade, que faz com que nossos corações endureçam e percamos a plenitude dos prazeres que o Céu pode nos dar. Temos que entender que nada somos, mas sim, fazemos parte de um plano de Deus que este jamais irá desejar nossa destruição ou de nosso espirito. Quando Maria foi avisada da chegada de seu filho Jesus, as trevas imediatamente se abateram sobre ela e sua família, pois não desejavam que o Cristo viesse e trouxesse com Ele a paz para a humanidade. Sabemos que esse mesmo Cristo sofreu e padeceu em uma cruz. Que foi violentado de tal forma, que nenhum de nós, por mais que tenha amor por Deus, conseguiria suportar.

E este mesmo Cristo, não só suportou como ainda perdoou aqueles que o penduraram na cruz, como exemplo do poderio soberbo que somente os homens são capaz de ter.  Como Cordeiro a ser imolado, deixou-se levar para o abatedouro, com um único pensamento: que Deus iria prover a paz para sua alma. Nos ensinam que Ele, Cristo disse antes de morrer: “Pai, em suas mãos entrego meu espírito”. E isso por saber que somente através do sacrifício poderia chegar até o Pai.

Então, como podemos supor que passaremos por essa vida, sem deixar aqui as marcas de nossa dor? Só que a dor não se trata de punição ou algo do tipo, mas sim, de aperfeiçoamento de nosso espirito. Obviamente não entendemos o porquê de ter que ser assim, mas, como disse uma determinada entidade: “Deus não existe para ser entendido nem questionado, e sim para ser amado e respeitado”. O que vemos aí é tão somente a obediência às Leis Divinas. Não temos que entender algumas coisas, pois que, elas não foram feitas para serem entendidas.

Precisa-se no mundo de mais amor, de menos ódio porque somente assim, conseguiremos deixar as forças da luz prevalecerem nesse mundo. Enquanto dermos vasão aos sentimentos ruins, manteremos o mal cada vez mais forte e com isso o bem mais longe de nós.

Não devemos em hipótese alguma, questionar à Deus e muito menos o porquê de as coisas serem assim. Precisamos é nos convencer de que; quanto mais dermos vasão ao mal, mais e mais nossos Orixás, Guias e protetores estarão longe de nós e consequentemente as forças que tanto podem nos ajudar.

Sérgio Silveira, Tatetú N’Inkisi, Odé Mutaloiá.

quarta-feira, setembro 25, 2013

A HOMOFOBIA E SUAS CAUSAS NOS TEMPLOS DE UMBANDA E CANDOMBLÉ



Hoje não falarei de fundamentos ou de outros assuntos do Santo, mas, desejo aproveitar a ótima quantidade de visitas que tenho em minha página, para falar de algo repugnante em nosso meio: a homofobia.


Foi sancionada em todas as instâncias de nosso Brasil a Lei contra a homofobia, ou seja: todos que discriminam uma pessoa por sua orientação sexual é criminosa perante a lei, mas isso somente vale pelo que vejo, para pobres e negros, como sempre foi no Brasil.


Temos uma lei tão bonita, que protege tanto aos homossexuais, mas, somente no papel essa lei funciona dado que temos o Sr. Marcos Feliciano, na Presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, chega a ser uma brincadeira de mal gosto. Vemos diariamente este senhor, incitar o crime de pré-conceito e intolerância, sem falar no de perseguição e nada é feito para coibir tais atos.  O que temos aí, é tão somente uma retroação nos direitos da população brasileira e estamos, creio eu, caminhando para um período de inquisição, mas desta vez por parte dos evangélicos.


A perseguição contra os LGBTs, (Lésbicas, Gays Bissexuais e Trangêneros) não é nova nem é prioridade do Brasil. Aqueles que têm um pouco mais de idade como eu, se lembram da perseguição que os Gays sofriam nos EUA e por parte do mesmo seguimento: evangélicos. Havia inclusive naquele país, os que defendiam que eles, os Gays nem mesmo tinham o direito a voto, pois lá como aqui, eram considerados aberrações.


O que me causa repugnância, é ver que esses mesmos que tanto são combatidos, atacados de todas as formas vis, são cidadãos como outros quaisquer, pois que, pagam seus impostos, votam, trabalham, contribuem enfim, para a manutenção dessa máquina que deveria cuidar para que seus direitos fossem respeitados. Mas, preferem se manter neutros, e permitir que uma verdadeira caça às bruxas seja feita em pleno século XXI.


Erram os que acreditam que essa perseguição nada tem a ver com nossa religião, pois que, dentro de nossos barracões, existem nossos filhos e muitos deles, são homossexuais e assim sendo são parte dessa minoria que sofre com a descarada perseguição mantida com dinheiro público. Vejo com frequência, filhos de santo meus e de outros barracões, serem apedrejados na rua, nas escolas, no trabalho, e até mesmo em suas casas, onde deveriam ter seu SAGRADO DIREITO DE DESCANSO RESPEITADO. Infelizmente, nossos governantes e representantes legais, como Deputados Federais e Estaduais, Senadores, Governadores, e todos das esferas governamentais, e inclusive os TRIBUNAIS DE JUSTIÇA que são sim, mantidos com nossos impostos, fecham os olhos e permitem o ABUSO DE TODOS OS ABUSOS.


Da mesma forma, nossa religião é atacada e nada é feito para coibir OS ABUSOS DESSA MASSA QUE SE INTITULA CRISTÃ, pois que Cristo nunca perseguiu a quem quer que fosse. Vimos recentemente, o Sr. Marcos Feliciano, dizer que “negro não tem alma”, repetindo com isso, a mesma barbaridade da Igreja Católica, que professava essas mesmas palavras tão somente para abençoar o tráfico de escravos, pois era de interesse do Barões e de toda a cúpula da alta sociedade da época que contribuíam generosamente para o enriquecimento dos cofres do Vaticano.


Não sou homossexual, não faço parte dessa parcela de pessoas que sofrem, mas, sou de uma religião que sofre a cada dia mais, com as imposições desses políticos de meia tigela, que buscam somente seu enriquecimento ilícito. Sou perseguido devido a meu credo, de todas as formas possíveis e imagináveis, até mesmo dentro do seio de minha família, pois que não comungo de seus ideais. Somos taxados de adoradores do capeta, de satanistas e muitas outras coisas que não ouso repetir, e apenas me pergunto: onde está a laicidade do Estado, que se cala perante isso tudo?


Vivemos em épocas difíceis e conturbadas dentro de nossa fé, e sabemos que há bem pouco tempo atrás sofríamos com a mesma perseguição e tínhamos nossas casas invadidas pela polícia. Recordo-me de pessoas mais velhas que eu, contando que para terem suas casas de Santo funcionando, tinham inclusive que fazer exame mental, para provarem não serem portadores de doenças mentais.


E hoje o que vemos é diferente? NÃO! Isso podemos afirmar, pois basta que nos declaremos Candomblecistas ou Umbandistas, para sermos atacados sem a mínima piedade por esses verdadeiros seres abomináveis. Usam a palavra de Deus, para incitarem seus seguidores que na grande maioria não possuem estudo, a declararem guerra contra quem nunca os agrediu. Vejo ainda negros, que deviam defender a herança de seus ancestrais, apedrejarem a fé que esses aqui deixaram, sem ao menos procurarem saber o que significa a palavra Candomblé.


Então, o que de diferente existe na perseguição contra nossa fé e a homofobia? Não existe diferença alguma, isso posso garantir. Julgam, apedrejam, mas usam do direito da Constituição de não pagarem impostos em seus templos, para enriquecerem cada vez mais e com isso terem mais poder de fogo contra quem nada faz de errado e tão somente não comunga de sua mesma fé.


Me pergunto ainda, o porquê da Presidente da República ter sancionado a lei instituindo o Dia Nacional da Umbanda, se nada é feito para garantir o direito de quem pratica essa fé. Gostaria que me explicassem, o porquê também de os Ministros do Supremo Tribunal Federal e da OAB Nacional, não tomarem partido a favor de quem está sendo massacrado todos os dias e de forma impiedosa, sendo que, TANTO A JUSTIÇA COMO SEUS REPRESENTANTES, SÃO MANTIDOS COM DINHEIRO ORIUNDO DE IMPOSTOS, E ESSES IMPOSTOS, NÓS PAGAMOS DA MESMA FORMA QUE QUALQUER OUTRA PESSOA DE QUALQUER RELIGIÃO E ORIENTAÇÃO SEXUAL. Por isso mesmo, defendo o fim da impunidade parlamentar, defendo o fim de salários para políticos, que vivam de suas profissões, se possuem uma, que vão dar seu jeito e arrumar emprego de verdade.


Precisamos meus irmãos, de buscar na Justiça formas de fazer com que se calem aqueles que nos apedrejam. Precisamos cobrar do Estado, uma posição final contra essa leva de improbidades que todos os dias são jogadas em nossa cara e de nossos filhos de santo, clientes e amigos. Não cabe dentro de uma sociedade como a nossa, esse tipo de atitude arcaica e imbecil. Se sofrem os homossexuais, sofremos com eles, pois somente quem sofre a perseguição pode saber o dano que ela causa em nossa vida.


Combatamos pois a homofobia, porque ao contrário do que pregam esses ignorantes, os homossexuais, não são nenhuma aberração. São sim, pessoas comuns e que precisam de amor, carinho e amparo de todos nós, inclusive e principalmente, dos que são mantidos com nosso dinheiro.


Ou acham vocês, que eles, os hipócritas, perseguem somente os homossexuais? Ou deduzem que não exista algo mais profundo por trás de tudo isso?


Eles, insistem em ligar homossexualismo com o Candomblé, alegando que somos coniventes com a homossexualidade, e em determinado ponto estão certos sim. Mas não que sejamos coniventes da forma criminosa como querem fazer crer a população. Apenas entendemos que cada ser humano tem um destino e que esse é dado por Olorúm, Deus, em sua supremacia.


Bom, se homossexuais são aberrações, o que dizer então de animais que também são homossexuais? Na própria natureza, no reino animal, existem sim, animais homossexuais. E nem por isso deixam de ser os mesmos animais criados por Deus.


Então assim sendo, a homossexualidade nada tem de monstruoso, nada de anormal, apenas é uma face da natureza que não entendemos. Aliás, muito pouco ou nada da natureza compreendemos de verdade. O que ocorre é que vivem os paradigmas, adotados pelo Sr. Constantino, quando este compilou a bíblia, de forma que seus erros e suas atrocidades fossem vistas como corretas.

Vivem e seguem um evangelho que nada tem de verdade com os verdadeiros pergaminhos que são encontrados todo o tempo, e isso não sou eu quem o digo mas é propagado por empresas sérias como o History Channel e outras e são veiculadas em redes mundiais de t.v. isso basta para pormos um ponto final em toda essa estória de que, homossexuais, são aberrações, são amaldiçoados etc. e tal.


Não cabe mais em nosso seio a intolerância seja lá com o que for.  Não digo que entre os homossexuais não existam os bons, trabalhadores e os maus. Mas em todo lugar existem pessoas boas e más. Porém, prefiro seguir um ditado de minha mãe biológica: “não existe um bom sem defeito, nem um ruim sem qualidade”.


Então não temos o direito de julgar um, por causa de todos. Ou por acaso, não existem boas e más pessoas dentro das igrejas? O fanatismo é a verdadeira causa de tanta intolerância em nosso meio. Se olharmos, a grande maioria das guerras foram causadas pelo fanatismo religioso e pela ganância do ser humano.


Não podemos permitir mais, que pessoas sejam massacradas porque estamos indo em desencontro com tudo que aprendemos sobre perdão e intolerância. Sejamos civilizados e paremos de agir como trogloditas que simplesmente atacavam e matavam os que não eram de suas tribos.


Paz, amor, fé e tolerância, eis o que precisamos para que o mundo seja um lugar melhor para todos e que a paz reine entre os homens.


Tatetú N’Inkisi: Odé Mutaloiá.