Contador de visitas

contador grátis

quinta-feira, agosto 27, 2015

Temos que respeitar as Quizilas de nosso Orixá.



Todos que somos feitos, sabemos que existem certas comidas que são tabus dentro de nossa religião, assim como cores, e outros. E estas são as quizilas do Santo, que ao contrário do que pensam muitos, a palavra correta é quizila sim, e não Kiijilas como dizem outros. Ocorre que essa palavra é oriunda do vocábulo do nordestino e que foi introduzida dento do dialeto das roças de Santo pelos nossos mais antigos sacerdotes.
Quizila dentro do vocábulo do nordestino, significa, tudo aquilo que contraria, que vai contra os costumes, que aborrece, e assim sendo, os antigos vendo que sua pronuncia se adequava perfeitamente dentro do Axé Orixá a introduziram e até hoje usamos.

Ocorre que, com a modernização, algumas pessoas acharam de modernizar também o nosso culto, mas, é um grande erro, porque nossos preceitos vêm de tempos imemoriáveis e não temos como, modernizar a religião. Baseados nessa modernidade toda, alguns dizem que comem de tudo pois, ao colocarem determinada comida na boca, não sentiram nada, nem mesmo um arrepio, vontade de vomitar, nada, nada mesmo, e eis aí seu maior engano!

As comidas que são tabus para os Orixás, não manifestam a quizila com nada disso, nem mesmo com nenhum outro sintoma físico. Elas causam danos na vida das pessoas. Presenciei casos, que pessoas que comiam de tudo, perderam empresas, outros que eram de Oyá teimaram em comer carneiro, e nada sentiram, mas, em alguns casos, vi gente passar até fome. Temos que respeitar as quizilas de nosso Pai ou Mãe, afinal, existem comidas que são proibidas para todos os Santos, mas, existem aquelas que são quizilas somente para certas qualidades, e outras que são quizilas somente para o Orixá da pessoa.

Bem, vivemos em um país abundante de alimentos, então se comemos algo que contraria o preceito dos mais antigos, por que comermos? Na modernidade alguns estão deturpando as coisas, e acham que quizila é somente aquilo que dá vomito, coceiras ou qualquer outra reação física. E vemos pessoas que têm tudo para ser felizes, sofrendo sem entender o porquê de tanta dor.

Podemos citar por exemplo, o doburú ou flor do velho, que comumente chamamos de pipoca. Pessoas de Obaluayê ou de Omulú, jamais comem pipoca, pois se trata do alimento daquele Orixá, então, por que teimar em levar o alimento à boca? O santo enxerga e com razão, como um desafio, e consequentemente seu filho sofrerá as penalidades, e sempre são as mais severas possíveis.

Da mesma forma, nos é proibido comer frutos do mar. Se temos o peixe, por que, comer os frutos do mar? E se temos o peixe de escamas, por que a teimosia em comer peixe de couro? Oras, se assim foi passado desde os mais antigos de nossa fé, quem somos nós, para mudar tudo isso, ou a mínima coisa que seja?

As quizilas existem e a idade de Santo nada tem a ver com ela. Ao contrário, o que é quizila da pessoa quando Yawô, será para sempre, não interessando se tem 7 ou 70 anos de feito. Ao respeitarmos esses e outros tabus de nossa fé, mostramos respeito pelos mais antigos, bem como pelos Orixás que governam essa religião que tanto amamos.

Não entendo com pessoas que se dizem do Santo, não respeitam as limitações que nos sãos impostas e que se formos olhar, são mínimas comparadas com tudo que nosso Orixá nos dá. Olorúm fez o mundo e proibiu aos primeiros homens de comerem determinados alimentos, então, somos mais que Deus? Não! Jamais poderemos no igualar ao nosso Criador. Ele somente Ele reina absoluto em todo o Universo.

Mas, infelizmente teimam os de hoje, em proclamarem que, por serem de determinada raiz, podem comer de tudo, pois nada lhes faz mal. E vemos então, nossa religião ser difamada por aqueles que sofrem, alegando que tudo deram ao Santo, mas nada tiveram em troca. E os que realmente amam e respeitam a doutrina, sofrem por consequências de atos impensados de pessoas inaptas para a fé dos escravos.

Respeitemos pois, as quizilas de nossos Orixás, pois se assim o é, algum motivo tem. E esse motivo, não nos cabe questionar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário