Contador de visitas

contador grátis

terça-feira, janeiro 06, 2015

Enquanto houver arrogância e prepotência, estaremos fadados ao extermínio



Sermos do Santo é algo realmente e simplesmente maravilhoso. Somos de uma religião muito mais antiga que o cristianismo, cuidamos de seres que são na verdade, governantes da natureza, temos contato com pessoas que já desencarnaram, e outras que estão nesse plano terreno ainda, e que tanto têm para nos ensinar. Ofertamos presentes a esses seres e vemos coisas impossíveis acontecer, enfim, são tantas as maravilhas, que levaria anos para relatar todas.

Mas, algo muito triste e vergonhoso ainda permeia nosso meio: arrogância, prepotência, soberba, calunia e tantas outras que com certeza nossos Orixás se entristecem conosco dia após dia. Como Vice Presidente de uma Federação, tenho encontrado reclamações infinitas sobre o tema. E sei o quanto isso constrange aos que buscam nas casas de Santo, solução para seus problemas e até mesmo para os filhos de Santo dessas casas.

Pessoas que se intitulam, feiticeiros, bruxos, e que são capazes até mesmo de matar se isso for necessário. Encontramos ainda aqueles que, quando uma pessoa vem com algum questionamento simples, como um banho que ouviram falar, ouvem como resposta: por acaso é você pai ou mãe de Santo para querer saber dessas coisas”?

E mais tristes e solitárias se sentem essas pessoas, e muitas delas culminam por abandonar a religião que amam, mas, se sentem como que um ESTRANHO NO NINHO, e para tristeza das pessoas sérias, se entregam nas igrejas que aproveitam-se para terem mais ainda o que falar contra nós.

Essas pessoas precisam aprender que nada somos, nem mesmo dignos de agradecimentos, pois se existe algum Ser digno de agradecimento é Deus. Sim, sem sua permissão nem mesmo os Orixás podem fazer algo em prol dos que precisam e pedem. Dependemos de Deus em sua Infinita Sabedoria, e Onisciência, para termos condições de ajudar aos outros. Se cobramos, é tão somente porque precisamos sobreviver e/ou mantermos a casa do Santo funcionando e sabemos o quanto isso nos custa nada.

Não podemos, obviamente sair por aí dando fundamentos aos outros, mas, ensinarmos ou mesmo esclarecermos uma dúvida, não nos faz inferior, ao contrário, mostra o quanto somos humildes para esclarecer as pessoas. Por que não podemos, por exemplo, dar uma informação, se a pessoa nos chega perguntando de algo que ouviu falar? Se é bom para ela dizemos e se não o é, dizemos também e ainda mais, explicamos o porquê de aquilo não lhe ser benéfico!

Mais do que tudo, temos a obrigação de agir com as pessoas, pois elas buscam em nós, zeladores de Santo, a solução para suas vidas!

Quando uma pessoa não tem dinheiro para pagar, temos que primeiro analisar a situação no Ifá e se ela realmente precisa de ajuda temos sim que ajudar! Afinal, Deus é um só para todos. Diz um antigo ditado africano: “Olorúm a ti, Olorúm a mi”. Ou seja: O seu Deus é o meu Deus!

Então, como abandonar uma pessoa se ela precisa de nós? Isso em meu modo de ver, é comercializar a fé e não praticar a mesma. Algumas pessoas precisam rever seus conceitos e olhar mais à sua volta e então verá que seu Orixá pode perfeitamente estar triste com seu filho.

Feiticeiro que mata, aleija e sei lá mais o que? Isso é tão somente soberba e arrogância, afinal, NADA somos sem Deus, e muito menos somos algo nessa Terra. NÃO SOMOS NADA NEM NINGUÉM! Apenas Deus é tudo e seus Ministros nossos Orixás, possuem o poder verdadeiro!

Tenho visto, e qualquer um, com bom senso, sabe que a cada dia que se passa, mais e mais pessoas abandonam nossa religião e vão em busca de se alistarem em outras fileiras e isso significa o que? Que essas pessoas se cansaram da soberba, da arrogância, da prepotência e das ameaças que se encontra dentro de algumas casas.

Vemos então, nossos antepassados se perderem, pois que, perdem-se seus conhecimentos e assim sendo, sua energia que poderia estar vivendo através de seus descendentes está na verdade servindo de munição para os pastores que nada mais fazem na vida a não ser meter o pau em nós e nossa fé, com o intuito de tão somente acabarem com nossa religião. Sim, este é o maior intuito destes que se intitulam, Ungidos em Cristo, mas que, na verdade de cristão mesmo, nada têm.

Se agimos com coerência, humildade e simplicidade, temos somente à ganhar, tanto de nossos Orixás, como de Deus e das pessoas que nos cercam, pois que, são coisas que somente aos puros de coração pertencem. Enquanto que os erros que encontramos, pertencem a pessoas que amam se intitular o que não são, para somente ter formas de ganhos financeiros.

Sempre defendi e defendo a cobrança de nosso chão, ou de nosso axé, mas, a comercialização da fé é totalmente diferente disso. Já me deparei com pessoas que me confidencializaram, que determinado zelador de Santo, teve a audácia de cobrar mais de R$30.000,00 por um trabalho, já por outro lado, tenho um conhecido, que me contou que, “enquanto frequentava uma determinada casa, conversava com Lúcifer em pessoa e da última vez, este o extorquiu acreditem, R$120.000,00 e este meu conhecido terminou prestando queixa em uma delegacia, e hoje em dia, seu caso é relatado nas igrejas, como prova de que praticamos o satanismo. Obviamente que JAMAIS revelarei os nomes do envolvidos, mas ponho isso ao público para que se tenha uma noção das barbáreis que se praticam hoje dentro das casas de Santo e até mesmo dentro de Templos de Umbanda.

Encontrei uma pessoa que me perguntou se era correto o preto velho jogar búzios, e disse simplesmente que não. Dentro de meu aprendizado com minha saudosa zeladora, Mametú Indembeleouí, com o saudoso, Fomo de Yemanjá, que me deu minhas últimas obrigações depois que minha mãe faleceu, e isso sem contar com inúmeros outros mais velhos que eu, os quais tive a honra de conviver, que, guia não joga búzios, isso é ato pertencente ao Candomblé e tão somente às pessoas preparadas para isso.

Tenho visto também, pessoas de Umbanda, que se dizem zeladores de Orixá, que entoam até mesmo cantigas de Orixá em seus ritos, como uma filha me contou que, no terreiro em que ela frequentava, a Gira de Exú era aberta com a cantiga: “Egé xororô é um paó...”, outro absurdo, pois nem mesmo em casas de Candomblé que tenha gira de Umbanda, não se entoa essa cantiga, pois que somente usamos essa cantiga para o rito de cortar para essa deidade.

Sim, dentro de casas de Candomblé, pode-se sim, praticar a Umbanda. Zeladores antigos, não aceitavam que uma pessoa feita de Santo, se incorporasse com espíritos de mortos, como caboclos e pretos velhos, exus e outros, mas, foram vendo, que, as pessoas da Umbanda que vinham para suas casas não poderiam simplesmente deixar de ter suas entidades, afinal, ninguém tem o poder de mandar uma entidade embora, então, o culto de Umbanda foi ficando dentro de umas casas e hoje em dia, é muito mais comum do que se pensa, ter sessões de Umbanda dentro de Terreiros de Candomblé, mas, isso não significa que, as coisas se misturem, afinal, cantar cantigas de Candomblé dentro da Umbanda ou vive versa, é o mesmo que cantar samba em uma ópera.

Então, se as pessoas pudessem agir com mais clareza, ensinar seus filhos e até meus seus clientes com mais atenção e dedicação, veriam que suas casas prosperariam muito mais, e que nossa religião, voltaria a ter o mesmo Status que antes.

Presenciei famílias tradicionais, que literalmente deixaram de existir dentro de nosso Brasil, tão somente devido a que? Arrogância, prepotência e outros. E isso ocorre com muito mais frequência do pensamos. Pessoas que possuem axé, vêm suas casas serem destruídas, devido a esses atos que em nada condizem com nossa realidade.

Se agirmos com humildade, dificilmente perderemos nossas fileiras de adeptos, o Santo, posso assegurar, com toda certeza dentro dos meus quase 30 anos de raspado, não compactua com essas ações. Ao contrário, valorizam amor, humildade, carinho, verdade e acima de tudo: HONESTIDADE.

Abramos pois, mãos desses atos horríveis se não queremos ver nossa fé destruída e nossos Templos queimados pela Inquisição dos evangélicos.

Tatetú N’Inkisi Lambanranguange: Odé Mutaloiá.

Um comentário: